Lipedema é uma doença na qual há um distúrbio doloroso e desproporcional de gordura, levando a um quadro de inflamação crônica, é uma gordura localizado principalmente nos membros inferiores, no entanto não é o local exclusivo que a doença pode se instalar. Ela pode ou não estar acompanhado de edema ortostático. Afeta quase que exclusivamente as mulheres e até o momento não foram evidenciados nenhuma correlação racial ou étnica.  É uma doença caracterizada pelo aumento progressivo dos membros, com intensa sensibilidade dolorosa e um impacto psicológico intenso nas pacientes.

A dificuldade do diagnóstico do lipedema se dá não só por ser uma doença com uma fisiopatologia desconhecida, ou seja, o motivo pelo qual se forma ou se mantém essa gordura, ainda é muito questionável e incerta, mas também devido à falta de disponibilidade de diagnóstico laboratorial ou genético, juntamente com a falta de familiaridade com os critérios clínicos. E desse forma se torna uma doença subdiagnosticada, pois muitos profissionais relacionam de forma errônea como obesidade, condições familiares ou linfedema.

A epidemiologia da doença também é prejudicada, uma vez que as  estimativas de prevalência de lipedema baseiam-se em pacientes com clínica de linfedema, que contêm um subgrupo de pacientes que foram diagnosticadas com linfedema de maneira incorreta. Mas a literatura atual tem nos mostrado cada vez mais que há um alta prevalência de pacientes com lipedema no Brasil, podendo chegar há 11% da população feminina. Por ser uma doença pouco difundida, tanto entre os profissionais quanto na população em geral, o diagnóstico da doença muitas vezes não é realizado. Dessa forma, por vezes, as pacientes buscam incansavelmente soluções para os sintomas sem obtenção de sucesso. 

O resultado, são pacientes desacreditados no meio profissional, questionando a si mesmos sobre o que de fato sentem e vêm, e recebendo tratamentos ineficazes pois não são direcionados a doença. Se você faz parte desse grupo de pessoas, fique tranquilo, nós da ABRALI estamos aqui para te auxiliar oferecendo informações e respaldados por profissionais que entendem a doença e se dedicam a buscar resultados em seus pacientes. 

 

EQUIPE MULTIDISCIPLINAR

O Lipedema exige uma linha de tratamento complexa que inclui a equipe multidiciplinar.

Tanto no tratamento conservador como o tratamento cirúrgico, o olhar integrativo de uma equipe capacitada faz-se necessário. Para prevenir e tratar os sintomas são necessários: Médico vascular, cirurgião plástico, fisioterapeuta, nutricionista e educador físico. 

Todos juntos em prol de um tratamento eficaz e seguro. 

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico da doença é clínico, isso significa que não há nenhum exame necessário para chegar ao diagnóstico correto. Existem sim alguns exames que profissionais pedem para auxiliar na confirmação da doença, como exames de imagens, linfo cintilografia, para excluir o linfedema por exemplo, bioimpedância, entre outros exames. 

Ressalvo que é uma doença que não necessita de exames de imagem ou laboratoriais para concluir o diagnóstico. Esse fator é uma das grandes questões que torna essa doença tão subdiagnosticada, pois cada vez mais nos deparamos com profissionais da saúde dependentes de exames e com menos interesse em ouvir ou examinar seus pacientes. Mas para  lipedema é isso que precisamos, de uma boa relação médico-paciente, pois a paciente relata exatamente o que sente, e em sua grande maioria, traz como queixa as seguintes características:

  • Sensibilidade aguçada

  • Dor

  • Presença de gordura desproporcional

  • Dificuldade em se vestir

  • Dietas frustradas

  • Dificuldade em praticar atividades físicas habituais;

  • Fragilidade capilar ( presença de hematomas com facilidade)

  • Piora progressiva

  • Auto estima fragilizada

Esses e outros sinais e sintomas são ditos e vistos durante uma consulta médica. Portanto não há nenhuma especialidade certa para dar esse diagnóstico. Concordo porém, que na grande maioria o médicos cirurgiões vasculares são a porta de entrada pra essas pacientes, pois elas se vêm com dor em membros, presença de edema e grande fragilidade capilar, e portanto no primeiro momento o profissional que passa em sua mente é mesmo o vascular. 

Vale ressaltar que qualquer profissional da saúde deveria estar habilitado para o diagnóstico, pois como foi falado, ele é exclusivamente clínico, exigindo então atenção às palavras da paciente e um bom exame físico para notar a presença desse acúmulo de gordura.

CLASSIFICAÇÃO

      O lipedema é uma doença que tem duas classificações:​

  • Anatômica

  • Estágio

 

ANATÔMICA

 

A classificação anatômica nos mostra que não se trata de uma doença padronizada para todas as pacientes, ela pode atingir diferentes partes do corpo. A maior prevalência encontrada nas pacientes se dá em membros inferiores, no entanto ela não é exclusiva em pernas ou tornozelos.

 

ESTÁGIO

Há também a classificação em estágios, o que ressalta ser uma doença progressiva, os estágios são divididos de I a IV. Dentre eles o IV é o último e o mais difícil de responder a terapêutica; essa fase é conhecida como lipo-linfedema, já que o excesso de gordura leva a um comprometimento linfático associado. Esses estágios evoluem conforme o passar dos anos e estão relacionados ao aumento de peso e a fases da vida em que há picos hormonais.

O tratamento clínico e cirúrgico auxiliam para evitar a progressão desenfreada da doença, lembrando que o tratamento cirúrgico se torna mais complexo e difícil na medida que estamos diante de um grau mais avançado, envolvendo a resseção de pele e grandes volumes de subcutâneo e pode começar a apresentar um índice maior de complicações.

 

OBESIDADE

        A obesidade também é um acumulo de gordura, no entanto é algo proporcional ao restante do corpo, a pessoa obesa ela terá gordura em excesso no corpo todo, diferente das pacientes com lipedema que apresentando essa gordura acumulada e desproporcional ao restante do corpo. Paciente obesas eliminam peso de forma favorável com dietas e atividades físicas, o que não acontece com tanta facilidade com portadoras de lipedema, pois elas apresentam uma gordura que não responde tanto a essas práticas.

      No entanto é importante destacar que muitas mulheres com lipedema também são obesas, uma vez que se gera um ciclo de difícil controle. Pois temos a paciente que não tem resultados tão positivos com a dieta, que apresentam uma limitação física pela doença e além disso possuem um fator psicológico afeado, sendo um quadro muito favorável para um sedentarismo e compulsão alimentar. Por isso temos que ter atenção, pois uma doença acaba desencadeando a outra, e isso sem dúvida torna o diagnóstico e o tratamento mais difícil.

      Há uma questão muito interessante e curiosa para lipedema: Emagrecendo não há grandes variações na gordura doente, no entanto ganhando peso, há uma progressão clara da doença.

Lipedema não é obesidade

Cuidado, porque uma doença está ligada a outra

LINFEDEMA

      Os  nomes são muito parecidos e isso gera muita confusão, mas o linfedema é um excesso de liquido, de linfa, diferente do lipedema que é um excesso de gordura; abaixo algumas dicas de como diferenciar as doenças.

Dentre as doenças mais confundidas com lipedema estão obesidade e linfedema.

Associação Brasileira de Pacientes com Lipedema - ABRALI

Todos os direitos reservados 2020.

  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Facebook Ícone
  • WhatsApp Abrali